RELACIONADOS



categorias

13 de dezembro de 2015

Ballet vs Pintinhas De Tinta



Você pode ler ouvindo Jessie J - Flashlight


Há tanta coisa que me leva a pensar na minha infância, tanto nas coisas boas como nas ruins, porque para alguém evoluir é preciso cair, ralar o joelho, quebrar o braço, quebrar a cara. Precisamos disso para crescer em espírito (ora, fisicamente, todos crescemos com o passar dos anos).

De vez em quando sinto uma inveja rosinha das crianças que ainda são crianças, que carregam a inocência no coração, que são puras. Quando crescemos o mundo nos corrompe, e abala toda a ideia de um mundo melhor, destruindo, aos poucos, os sonhos.

Quantas vezes eu bailei no meio da sala, esbarrando nos móveis sonhando com o dia em que eu seria uma grande bailarina, apresentando o Cisne Negro?
Foram tantas coisas que imaginei ser, tantos sonhos pelo ralo, só um prevaleceu, esse que vos fala através das palavras sobre os sonhos perdidos e a saudade da infância. Esse sonho, sim, teve fundamentos, porque eu vivia atracada com folha e caneta nas mãos, escrevendo (o quê? rsrs), rabiscando até ficar com o corpo cheio de pintinhas de tinta, e eu era obrigada a parar e ir tomar banho antes que o meu sangue ficasse preso (conversa de adulto, tsc, tsc, tsc).

Gosto de lembrar, também, de quando minha mãe fazia aquelas cobrinhas no meu cabelo, e eu saía balançando as tranças no meio da rua, indo para a escola toda feliz. Ou então, quando a gente sentava na mesa, e ela me ensinava a cortar o tomate, o pimentão, como fazer para não chorar com a cebola... E hoje, eu sei fazer uma boa comidinha graças a ela.

Os tapas, os murros... As briguinhas de irmãos, tudo era motivo para mim gritar "MÃÃÃEE!" ou  "Ô PAINHOO", eles brigavam com a gente e nos colocava de joelhos no milho e meia hora depois já estávamos brincando de novo.

São tantas coisas boas, e coisas ruins, mas, sabe por que sou quem sou hoje? Mamãe me ensinou. Me ensinou (principalmente) a amar me dando carinho da forma desengonçada que só ela sabe, e, também pegando (muito!) no meu pé.
E por isso tudo, eu agradeço.